Retomando o tema dos objectivos, tratado no artigo anterior, como é que um simples papel com os nossos objetivos escritos é tão importante e pode conduzir ao nosso SUCESSO?

É verdade que nem sempre sabemos o que queremos, e muito menos como lá chegar mas, a partir do momento em que definimos o que queremos (metas/objetivos) e o colocamos bem escrito num pedaço de papel, o nosso subconsciente (a “máquina” mais potente que temos no nosso corpo) está alerta para isso e indica-nos sempre que aconteçam situações ou oportunidades que nos permitam atingir o que desejamos.

Escrever objetivos REFORÇA internamente a nossa decisão de os atingir, colocando o subconsciente a trabalhar para nós.

Então, vamos lá arregaçar as mangas! 🙂

O processo de definir objetivos passa pelas seguintes etapas:

  1. Decidir exatamente O QUE QUEREMOS (seja em que áreas da vida for); não nos deixemos limitar por pensamentos como “nunca vou ter“, “não conseguirei”. Deixem a vossa imaginação soltar-se e pensem no que querem atingir.
  2. ESCREVER os objetivos numa folha de papel de forma clara, precisa, objetiva, detalhada, mensurável, por ex.: “até final de (mês, dia) inscrever-me no curso X e terminá-lo antes do final do ano tal com nota final de Y”.
  3. Definir uma DATA DE CONCLUSÃO para os objetivos; o vosso subconsciente vai “arrastar-vos” para que terminem no prazo. Se for um objectivo muito ambicioso, definam vários prazos intermédios e se não conseguirem terminar dentro da(s) data(s) determinadas, não se preocupem! Definam novas datas: “There are no unreasonable goals, only unreasonable deadlines” já dizia Brian Tracy.
  4. Identificar os OBSTÁCULOS a ultrapassar para atingir os objectivos: porque é que ainda não chegámos lá? Diz quem sabe que 80% dos obstáculos que nos impedem de atingir o que queremos estão dentro de nós mesmos. E esta heim?? 😉
  5. Identificar o CONHECIMENTO, FORMAÇÃO, CAPACIDADES que necessitam ter para atingir um determinado objetivo. Concentrem-se no essencial e deixem o acessório para depois.
  6. QUEM pode ajudar-vos a atingir os objetivos? Com quem devem trabalhar ou colaborar? Família, parceiros, chefes ou mentores, seguramente precisam de alguém que vos ajude, mas é importante que tenham em mente que também devem ajudar. Reciprocidade: estamos todos no mesmo “barco” e recebemos na medida em que damos.
  7. Fazer uma lista das ETAPAS que devem dar para atingir os vossos objetivos. Combinem essa lista com os obstáculos que identificaram e com as capacidades/treino/formação/conhecimento necessários, bem como com as pessoas de quem necessitam. Vão adicionando à medida que se apercebem do que é necessário. Apesar de parecer muita coisa, é muito mais razoável de atingir passo-a-passo, aos poucos.
  8. Pegar na lista acima e fazer o PLANEAMENTO para cada objetivo, colocando as respetivas etapas e datas de conclusão. Façam isto de forma sequencial e atribuam prioridades.
  9. Organizar o “PLANO DE ACÇÃO”: peguem no planeamento e transponham para um calendário/agenda: planeiem de antemão cada mês, semana e dia.
  10. Selecionar para cada dia a TAREFA Nº 1, aquela a que é fundamental que se dediquem nesse dia.
  11. Ser DISCIPLINADO(A): dediquem-se a uma tarefa até a ter terminado. Este é um dos segredos da produtividade mais bem guardados … e não é dos mais difíceis! Não parece fácil, mas 80% dos “obstáculos” estão na nossa cabeça, recordam-se?
  12. Praticar a VISUALIZAÇÃO dos objetivos. Se são daquelas pessoas que acham que isto é uma treta, desenganem-se, pois há décadas que os grandes atletas de alta competição e os maiores CEO’s utilizam esta técnica. Aqui está a tal programação cerebral de que falei no primeiro artigo mas, sem os passos anteriores, pode passar a vida toda a “visualizar” que não chega lá sem o resto do trabalho! No entanto, e tal como já percebeu, no topo do nosso corpo temos um “ultra computador” que não distingue o real do imaginário e por isso, se lhe dermos instruções específicas (visualização dos nossos objetivos a serem concretizados), ele vai dar-nos a “ajudinha” que necessitamos.
  13. (Re)Definir os objetivos com regularidade, utilizando a palavra “eu” e um verbo de ação no presente, ou seja, ao invés de escreverem “vou deixar de fumar”, escrevam “eu sou não fumador”. Os verbos de ação são instruções específicas para o subconsciente. Usem-nos a vosso favor.

Parece muito? Não é. Pensar no que queremos atingir, escrever os nossos objectivos e focarmo-nos neles com o método certo é algo que vamos aprendendo ao longo da nossa vida, mas que nos ajuda muito.

Experimentem!